As famosas brumas de Avalon

A espada do poder

Castelos e fortificações de pedra compõem boa parte da paisagem da Inglaterra rural. Em muitos deles, a passagem do Rei Arthur e de seus cavaleiros da Távola Redonda com seus feitos nobres deixou marcas, ajudando a construir suas histórias e lendas.
Mas é no sudoeste da Inglaterra, a 150 km de Londres, na cidadezinha de Glastonbury, que o mito de Arthur e sua invencível espada Excalibur brilha com mais força, chegando a se confundir com a realidade.
Ali, expedições arqueológicas encontraram não só vestígios de um Arthur em carne e osso como também do seu refúgio, a lendária Ilha de Avalon.
Famosa por suas densas brumas e por abrigar aprendizes de magia, elfos, ninfas e sacerdotisas da lua, Avalon era o refúgio preferido de Arthur, que para lá se dirigia em busca de conselhos ou para se curar magicamente das feridas de guerra.
Cantada em prosa e verso por trovadores medievais, Avalon sempre pertenceu ao domínio da fantasia.
Para muitos respeitáveis estudiosos, porém, não há dúvidas de que a pacata e bucólica Glastonbury de hoje foi outrora a mítica Ilha de Avalon.
Todos os anos, milhares de visitantes e peregrinos, de todo mundo, acorrem a seus verdes campos e imponentes castelos para encontrar na força do mito de personagens e feitos fantásticos um pouco da magia interior sufocada pela vida moderna.
LENDAS E HISTÓRIAS

Do Paganismo ao Cristianismo

Arthur é considerado por muitos um deus solar, graças à sua espada Excalibur "que reluz como trinta archotes" e por sua personalidade honesta e luminosa.
O mundo de Arthur é mágico e pagão e, não obstante, considerado uma porta de entrada para a afirmação do cristianismo. Sua Távola Redonda onde todos os cavaleiros sentavam-se em cadeiras iguais e onde não havia lugares especiais, ajudava a consolidar a crença de que todos eram iguais perante seu rei e perante Cristo. A bandeira de Camelot era simbolizada pela cruz cristã e tinha a Ave Maria como protetora.
Ao recusar a bandeira de Pendragon, seu antigo domínio, em favor de um símbolo cristão, Arthur contribui para instituir uma religião única por toda a antiga Grã-Bretanha, traindo os ideais da antiga religião pagã de Avalon e do povo das fadas

O Santo Graal

Materialmente simboliza o cálice que Jesus usou na Última Ceia. Após a crucificação, o bom fariseu José de Arimatéia teria se aproximado do corpo do Cristo e, com o cálice, recolhido 3 gotas de seu sangue. Fugindo da perseguição aos seguidores do Cristo, escapa para a Bretanha, levando o objeto consigo.
A tradição diz que quem beber do Santo Cálice, ganhará a imortalidade.
No ciclo arturiano, o Graal tem um significado mais simbólico. Representa a busca de um sentido interior, da própria recuperação da Fé.
Ferido e sem acreditar em seu destino, Arthur ordena a todos os cavaleiros que procurem o Graal, o cálice perdido, símbolo do poder e do amor de Deus, coisas que seu povo parece ter esquecido. Graças à sua pureza de coração, Percival, o cavaleiro sem pecados, recupera o cálice, restaurando a paz a Camelot e ao coração de seu rei

A Origem de Avalon

Avalon deve muito de seu mistério às lendas celtas que a consideram uma porta de passagem para outro nível de existência.
Uma existência povoada de magia e amplitude espiritual.
Também era chamada de "Ynis Vitrin" ou Ilha de Vidro, onde seres mágicos, isolados do mundo mortal, desfrutam a eternidade.
O nome tem origem no semi-deus celta Avalloc.
Pesquisas arqueológicas atestam que os campos de Glastonbury, há milhares de anos, foram pântanos drenados, ou seja, a cidade já foi uma ilha, o que reforça sua proximidade com as lendas de Avalon

Personagens Principais
Arthur -
Com a proeza de retirar Excalibur, conhecida como "a espada do poder", de uma sólida rocha, sagra-se rei da Grã-Bretanha, lutando por sua unificação e contra a invasão dos Saxãos até o fim de seus dias. Reinou com justiça e nobreza espiritual.
Guinevére -
Esposa de Arthur, casou-se por determinação do pai. Mais tarde, cai de amores e é correspondida por Sir Lancelot, o mais valente cavaleiro da Távola Redonda. Não consegue dar um herdeiro a Arthur. Importante por sua formação cristã que empurra o marido em direção ao cristianismo.
Morgana -
Irmã de Arthur, conhecida como Fada Morgana ou Bruxa Morgana, versada em magia negra, se empenha em destruir o reino do irmão. Para muitos, junto com Merlin, simboliza o mundo da magia no embate entre paganismo x cristianismo.
Merlin -
Mago branco, avesso à companhia dos homens, conhecedor dos segredos da natureza, sabe se comunicar com os animais e prevê o futuro. Usa seus poderes para o bem, contribuindo para a formação do reino de Arthur.

Como chegar
Ao contrário dos gloriosos tempos de Arthur, onde só os eleitos tinham acesso a Avalon, hoje é bem mais fácil penetrar em seus mistérios.
O primeiro passo é preciso tomar um avião do Brasil até Londres, e de lá alugar um carro ou tomar um ônibus até Glastonbury, planície de Somerset, por uma estradinha arborizada e bem-conservada, numa pequena viagem de 150 km, que dura cerca de 2 horas.
O trem com escala em Plymouth e chegada na estação de Castle Cary, há poucos minutos de Glastonbury, é outra opção que pode dar mais encanto à viagem. O preço da passagem aérea ida-e-volta Brasil-Londres varia bastante entre a alta e a baixa temporada, podendo oscilar em quase 100%!
Alta temporada -
De junho a dezembro - custo médio U$ 1.509,00
Baixa temporada -
De Janeiro a maio - custo médio U$ 860,00

A alta temporada abrange a primavera e o verão da Europa. Mesmo assim, pode valer a pena enfrentar um friozinho na baixa temporada graças à diferença significativa de preço.
O QUE VER

Colina de Tor
-
É a única colina em uma região plana.
São cerca de 500 metros de altura, tendo no cimo as ruínas da torre da igreja de St. Michael.
O mais curioso é que suas encostas, vistas de lado ou de cima, lembram uma imensa espiral ou labirinto de três dimensões, conduzindo para o alto.
Como o nome "Tor" em Celta significa portal, passagem, muitos esotéricos acreditam que ali, no topo, fica a porta de entrada do nosso mundo para a antiga Avalon. A colina é também conhecida como "Montanha Mágica".

Chalice Well

-
Tradução literal para "Poço do Cálice", onde José de Arimatéia teria escondido o Santo Graal.O poço fica próximo às colinas do Tor e é um lugar muito apreciado para meditação.
De uma fonte, sai uma água pura e cristalina com propriedades medicinais.
Segunda a lenda, o sangue de Cristo contido no Graal teria se misturado às águas do poço, o que explica seu tom levemente avermelhado (segundo cientistas graças à grande quantidade de ferro no solo).
Para os turistas e locais, beber as águas do "Chalice Well" é beber da própria fonte da juventude.

Weary Hill - É apenas uma árvore só que provém de mais um milagre por conta de José de Arimatéia. Ao resolver passar à noite nas colinas de Tor, depositou sua bagagem no chão e dormiu. Ao amanhecer, suas roupas, alimentos e objetos tinham misteriosamente se transformado num "Thorn", espinheiro sagrado que só floresce duas vêzes por ano, no Natal e na Páscoa, e tem origem oriental.

Abadia de Glastonbury

- Cercada de pântanos e água, o terreno da abadia parecia uma ilha em dias de chuva forte. Em 1.190 D.C. , desconfiado de que ali teria sido o centro da antiga Avalon, o rei Henrique II ordenou escavações no local. Anos depois, os monges encontraram uma cruz de madeira com a seguinte inscrição em Latim: "Hic iacet sepultus inclitus rex arturius in insula avalonia", em português "Aqui jaz o famoso Rei Arthur, na Ilha de Avalon".
Alguns palmos abaixo, num túmulo de carvalho, acharam o esqueleto de um homem alto com o crânio avariado. Pequenos ossos e fios de cabelos dourados também foram encontrados e creditados a Guinevére, que teria sido sepultada ao lado do esposo.

Arthur e Guinevére repousam em um túmulo duplo, aberto à visitação turística.

Castelo de Tintagel


Local onde Arthur teria sido entregue aos cuidados de Merlin

-Fica pertinho de Glastonbury, em
North Cornwall, há cerca de 40 min utos de carro.

Vale a pena visitar o castelo onde Arthur nasceu e depois foi entregue aos cuidados de Merlin.
Moeda
Como a Inglaterra não aderiu à recente unificação monetária européia, a Libra continua sendo sua moeda oficial. A "Euro" - a nova moeda européia - é, no entanto, aceita indistintamente, assim como o Dólar americano. 1 Libra = 1,4 dólares 1 Euro = 0,6 Libra
Hospedagem e Alimentação

É fácil e barato encontrar hospedagem na Inglaterra rural. Em Glastonbury e seus arredores proliferam hotéis-estalagens bons e confortáveis do tipo B & B - bed and breakfast (cama e café-da-manhã).

O custo médio da diária vai de
15 a 20 libras para quartos com cama de solteiro e de
20 a 35 libras para casais.

Na alta temporada, os preços sobem um pouco.
Um detalhe interessante é que a maioria dos hotéis oferece serviços de terapias alternativas para seus hóspedes: massagem indiana, reiki, yoga, aromaterapia.
Além disso, a cozinha de muitos deles traz variadas opções de comida vegetariana.
Alguns estabelecimentos até anunciam com orgulho que seus quartos NÃO dispõem de telefone nem televisão.
Tudo para incentivar a paz e o relaxamento em seus hóspedes.
Como se vê, visitar Glastonbury é usufruir de uma cidade realmente em dia com a espiritualidade.
  Eventos e Compras


As ruas do centro de Glastonbury se assemelham à uma feira medieval, tal a quantidade de lojas e barraquinhas com artigos místicos e medievais. Há camisetas, capas e chapéus com motivos celtas, dragões e seres elementais em miniatura, livros sobre São Patrício, São Miguel e o rei Arthur, bijuterias e jóias com os personagens arturianos, e até baralhos de tarot.
O Tarot de Glastonbury, baseado no de Marselha, mas com figuras medievais, faz muito sucesso entre os turistas e pode ser uma boa dica para quem procura algo diferente.
Durante todo o ano, há representações de peças teatrais ao ar livre contando a estória de Arthur e de outros mitos celtas. Menestréis, trovadores e dançarinas com roupas e instrumentos de época também dão um show à parte encantando o público com danças e cantigas medievais.
O ápice do calendário de Glastonbury é o primeiro sábado do mês de julho, quando a cidade celebra de forma oficial e cristã a presença dos milhares de peregrinos de todas as partes do mundo.
A festa fica ainda maior e, para os que desejam se envolver mais, as organizações dos eventos aceitam inscrições de peregrinos que desejem tomar parte ativa nos rituais religiosos.
Literatura Recomendada
- "As Brumas de Avalon", de Marion Zimmer Bradley. Ed. Imago. Ambientado em sua maior parte na Ilha de Avalon, este romance conta o ciclo arturiano sob o privilegiado ponto de vista das heroínas da saga de Arthur. Destaque para a disputa entre Guinevére e Morgana pelo amor de Lancelot, e para as marcantes aparições de Viviane, a Sacerdotisa de Avalon.
- "He", de Robert Johnson. Ed. Mercuryo. Análise psicológica da passagem da adolescência masculina ao mundo adulto tendo a saga de Arthur e a procura do Santo Cálice pelo cavaleiro
Percival como base.
Maiores Informações Não é necessário solicitar visto no passaporte ao consulado inglês para viajar a Londres. O brasileiro em busca de maiores informações sobre Glastonbury ou outro lugar da Inglaterra pode procurar a Embaixada do Brasil em Londres.
Contato: Sr. Christofer Pickard - Diretor de Turismo Tels: 020 7399-9239/ 020 7629-6909 tourism@infolondres.org.uk cpickard@infolondres.org.uk
Ainda no Brasil, existe a British Tourist Authority Tel. 21-531-1717